Transplantes 1329
Quer ajudar?Faça uma doação!

A importância dos rins

Para que servem os rins?

A Associação Renal Vida tem como compromisso não apenas o tratamento de pacientes portadores de doenças renais, mas também a prevenção e o estímulo a uma vida saudável.

Diante disto, serão publicados quinzenalmente neste espaço temas relacionados à saúde, de autoria dos membros da equipe da Associação Renal Vida. 

Os rins são dois órgãos localizados ao lado da coluna vertebral, abaixo das últimas costelas. Tem o mesmo formato de um feijão e medem em torno de 10-12 cm.

Ligados a eles existem os ureteres, que são como pequenos canos que levam a urina até a bexiga. Apesar do pequeno tamanho, são de fundamental importância para o bem estar do organismo.

Para isto, eles possuem três funções principais:

  • Filtrar o sangue: Através da filtração são eliminadas substâncias tóxicas, que são resultantes do metabolismo corporal, como uréia e creatinina, que são eliminados na forma de urina;
     
  • Produzir hormônios: que atuam na formação de glóbulos vermelhos (relacionado a anemia), no metabolismo do osso (auxiliando a absorção de cálcio e fortalecimento do osso) e no controle da pressão arterial;
     
  • Manter o equilíbrio entre água e sais no organismo: importante no controle da quantidade de liquido corporal e da pressão arterial, entre outros.

A Doença Renal Crônica (DRC) é a diminuição gradual do funcionamento dos rins, e afeta as três funções. Normalmente, após os 40 anos perdemos cerca de 1% da função do rim ao ano, mas algumas condições aceleram esta perda, principalmente diabetes, hipertensão, dislipidemia (colesterol alto) e doenças cardíacas. Por um período, o corpo consegue se adaptar a esta condição e o paciente tem uma vida normal. Até que a insuficiência esteja mais avançada, o paciente não apresenta sintomas. Salvo exceções, a DRC também não gera dor.

Alguns sinais que podem aparecer mais precocemente são urina com espuma ou sangue, urina muito clara (como água), aumento da pressão arterial, edema (inchaço), anemia (cansaço, palidez). Em estágio avançada há falta de apetite, náuseas e vômitos, perda de peso, dificuldade de concentração e perda de memória.

Quando o organismo não consegue mais compensar as alterações decorrentes do mau funcionamento, é necessária a realização de diálise, que substitui algumas funções do rim, ou realização de transplante renal.

No Brasil as principais causas de DRC são a hipertensão arterial, o diabetes e as nefrites (inflamação do rim). Também podem causar a DRC cálculos renais, infecções urinárias de repetição, doenças hereditárias e abuso de alguns tipos de medicamentos, como anti-inflamatórios.

Ela pode ocorrer em qualquer época, porém com o aumento da idade o risco de ter DRC aumenta.  Como a expectativa de vida da população em geral está aumentando, o numero de pacientes com problemas renais também cresce. Estima-se que hoje 10% da população mundial tenha algum grau de doença renal. Naqueles entre 65 e 75 anos, este número dobra.  Nos pacientes acima de 75 anos metade tem algum grau de DRC.

Mas como descobrir o problema? Para avaliar a função do rim são realizados dois exames simples: exame de sangue - dosagem da creatinina e exame de urina, que podem ser realizados em qualquer posto de saúde. De acordo com os resultados e problemas de saúde do paciente, o médico avaliará a necessidade de novos exames e quando repeti-los.

Acompanhamento médico regular também é muito importante, visando controle e tratamento das doenças que são fatores de risco para problemas no rim. Uma vida saudável, com realização de atividade física regularmente, alimentação balanceada e ingestão de líquidos adequada, tem também seu papel na prevenção da Doença Renal Crônica.

Dr.Leonardo Claudino Ribeiro
Médico Nefrologista CRM SC 20628

Fotos